Arquivo mensal: julho 2014

Os dois caminhos

No último post, apresentei um esquema que fiz no Prezi sobre o processo tradicional para ter um livro publicado: contar com uma editora. Mas esse não é o único caminho possível, embora seja, para muitos, o mais atraente. Hoje vou comparar esse processo com a autopublicação, tentando deixar claro quando um ou outro é mais adequado.

Um texto com potencial para publicação por editora deve buscar esse caminho, pois isso com certeza tornará mais fácil que ele alcance seu público, que até poderá ser ampliado. Agora, um original que não se encaixa nesse perfil não precisa ficar escondido na gaveta ou ser exaustivamente submetido às editoras; a autopublicação pode ser o meio termo entre a vontade do escritor e as possibilidades do texto e, mais do que isso, pode ser a opção ideal para determinados projetos.

Publicação tradicional

Processo: autor escreve, submete original para avaliação da editora, que decide publicar e cuida de todas as etapas de edição, publicação, divulgação e distribuição.
Prós: o autor não arca com o investimento e não corre riscos (tudo é responsabilidade da editora); há quem considere que essa modalidade confere maior “legitimidade” ao texto publicado; há menos preocupações e trabalho para o autor, que tem o apoio de uma extensa equipe de profissionais.
Contras: o autor tem pouco controle sobre o produto final; a margem de ganho por exemplar não é muito grande; a lógica de publicação é norteada por muitos fatores externos: desde o próprio mercado até questões políticas e culturais das editoras.
Perfil dos textos/livros: o texto precisa ter potencial para alcançar público suficiente a ponto de justificar o investimento da editora, evitando prejuízos. Não necessariamente esse público precisa ser vasto e difuso (como é o caso dos best-sellers), mas o produto final deve ter a capacidade de alcançar além do círculo íntimo e profissional do autor.

Continuar lendo Os dois caminhos

Anúncios

O passo a passo da publicação

Por que não começar pelo começo?

Fiz um resumo em forma de esquema sobre como o livro é feito, no caso de um processo tradicional (publicação por editora). Para quem ainda está de fora, pode não ser claro tudo o que faz parte desse processo: muito mais do que revisar o texto e criar a capa! (E entender isso é importante para diferenciar publicação de autopublicação.)

Não entrei em muitos detalhes, mas acho que a “linha do tempo” serve para dar uma noção muito boa do todo, para podermos esmiuçar ao longo dos outros posts.

Também é importante dizer que, embora eu tenha colocado em forma de reta, de processo contínuo, a realidade, é claro, não é bem assim. As diferentes etapas se sobrepõem o tempo todo.